jusbrasil.com.br
16 de Setembro de 2019

Preso por um crime que não cometeu, idoso diz que nunca esquecerá o que passou

Conheça o caso e avalie se houve erro de condução na investigação da Polícia Civil

examedaoab.com, Agente Publicitário
Publicado por examedaoab.com
há 3 anos

Preso por um crime que no cometeu idoso diz que nunca esquecer o que passou

Acusado de ter esfaqueado e matado sua esposa, com quem foi casado por 58 anos, o aposentado Pedro Florentino de Sousa afirma que nunca esquecerá o que passou e as acusações feitas pela Polícia Civil. A prisão injusta causou indignação na família do aposentado.

Preso por um crime que no cometeu idoso diz que nunca esquecer o que passou

Moradores de Brodowski, interior de São Paulo, Pedro, de 78 anos, foi preso na segunda-feira passada (17), depois que a polícia indicou que as pegadas encontradas na cena do crime eram compatíveis com o modelo de chinelos do idoso.

Outro detalhe que levou a polícia a acusar o aposentado foi o fato de a casa não possuir sinais de arrombamento, o que reforçou a hipótese da vítima ter sido atacada por alguém que estava no imóvel.

Mesmo sob protestos, o idoso foi preso.

Três dias encarcerado injustamente

Três dias após a prisão do aposentado, no entanto, Miriane Brasil, auxiliar de costura e mãe de um adolescente de 16 anos, procurou a polícia e causou uma reviravolta no caso ao acusar o próprio filho pelo crime. De acordo com o depoimento da mãe, o garoto confessou ter esfaqueado e matado a idosa para roubar com bastante frieza.

Preso por um crime que no cometeu idoso diz que nunca esquecer o que passou

Miriane Brasil, mãe do adolescente que assumiu a autoria do crime.

O adolescente foi apreendido e encaminhado a Fundação Casa, mas em depoimento à polícia, negou o crime. Miriane afirmou que, ao saber do crime, “morreu por dentro”.

No entanto, o delegado responsável pelo caso, José Augusto Franzine, além de não admitir que a polícia cometeu um erro, afirmou que a suspeita sobre o aposentado foi amenizada, mas não eliminada: “a única coisa que posso afirmar é que toda suspeita que até segunda-feira (17) recaía sobre Pedro, agora recai também sobre o adolescente. Diminui um pouco a suspeita que havia sobre Pedro. Temos mais uma linha de investigação agora.”

A saída da prisão

Por ordem judicial, Pedro Florentino de Sousa, foi solto na noite de quinta-feira (21). Mesmo livre, o aposentado afirmou que passou por momentos de aflição durante os dias em que ficou preso: “não passei bem porque estava longe da família, perdi a mulher. Fui tratado como um criminoso, com um réu mesmo. O coração faltava explodir porque é uma coisa que você não merece.”

O crime

Segundo o relato de Pedro, sua esposa, Francisca André de Souza, de 76 anos, havia levantado cedo no dia do crime, como era seu costume, e pediu a roupa do aposentado para lavar. Pedro conta que dormiu novamente e, ao levantar da cama, encontrou o corpo da esposa. O aposentado conta que não ouviu a mulher chama-lo.

Em seguida, os filhos do casal acionaram o resgate e a polícia, mas Francisca já estava sem vida.

Preso por um crime que no cometeu idoso diz que nunca esquecer o que passou

A pegada que levou a Polícia Civil a acusar o aposentado pelo assassinato da esposa.

Após a acusação da Polícia Civil, Pedro foi apontado como o principal suspeito e preso: “me levaram para a delegacia. Aí o delegado foi falando e a gente é analfabeto, não sabe explicar direito. Perguntaram: ‘como é que você matou?’ É difícil. O duro é que eles falam: ‘por que você matou, como é que você matou ela?’ Eu não matei ninguém. O delegado falou assim o senhor está preso. Eu não falei nada, eu esperei a decisão dele. Falei, meu Deus, não é eu. Ele não acreditou”.

O idoso considera que foi tratado injustamente pela polícia: "Eu não faço isso nem com um grilo na rua. Eu fazia tudo com ela, sempre juntos. Vem esses bandidos e fazem isso comigo. Ainda bem que a minha família está me apoiando muito, estou muito emocionado. Esquecer eu não vou esquecer nunca. Vamos pelejar, pegar com Deus primeiro."

Polícia despreparada

Nivaldo Florentino de Sousa, filho do casal, conta que a investigação da Polícia Civil foi falha desde o primeiro momento em que chegaram à cena do crime: “Foi muito fraco o serviço da polícia científica. Tem a gaveta que pegou a arma e ninguém se preocupou de tirar uma digital ou apreender a gaveta. Só olharam a pegada de chinelo no chão e tiraram foto. Exibiram ele [o pai] como se fosse um troféu”.

O advogado da família, Élizon de Souza Vieira, afirma que “isso é fruto do despreparo, de açodamento, de alguém que quer dar uma resposta rápida para a sociedade e comete um erro dessa envergadura. A polícia errou e errou muito. Ele deixou de ir ao velório da sua esposa, com quem foi casado por 58 anos, por um despreparo policial”. O advogado vai mover uma ação contra o Estado.

Em nota oficial, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo informou que a investigação preliminar levou à suspeita de que o marido havia cometido o crime, mas não comentou se houve erro na condução.

Qual sua opinião sobre o caso? Conte para nós nos comentários.

Baixe agora o e-book gratuito com os 4 Passos para Aprovação na OAB."

21 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

A ação contra o Estado tem de ser movida com sucesso. Um despreparo relevante, tratamento irrazoável para o nível de um Delegado e a polícia civil brincando de investigar. Esta, uma boa matéria para a intimidação e vergonha dos falhos. Só o idoso afetado pode saber o peso que perdurará em sua consciência por todos os fatos ocorridos, sobretudo por não ter ido ao velório de sua esposa, "com quem foi casado por 58 anos". continuar lendo

Polícia despreparada?
Novidade...
Polícia/Delegado arrogante?
Novidade...
Investigação "feita nas coxas"?
Novidade...

E ainda tem gente que defende pena de morte num país que pegada é "prova cabal" de crime...

É muito ignorancia aliada a hipocrisia nesse paisinho. continuar lendo

É justamente por isso Cristian que não apoio a pena de morte aqui, não por discordar dela, em absoluto, mas pela total falta de preparo da polícia e do judiciário para se chegar a uma conclusão em casos como esse que sejam indenes de dúvidas, impossível...

Até porque quem com certeza irá rodar serão aqueles que não terão bons defensores ou provas inequívocas que excluam qualquer possibilidade de culpa e/ou dúvida. continuar lendo

Infelizmente casos como esse ocorrem com grande frequência em nosso país.

Não somente em relação ao despreparo policial é recaída tais falhas, mas muito em decorrência da tentativa desenfreada do Estado em apontar culpados e entregá-los como verdadeiros troféus para uma sociedade que clama por resposta, mesmo que essa resposta nunca seja devidamente esmiuçada.

Quem sofre com essa "caça às bruxas" é justamente a pessoa sem orientação, pobre, sem acesso à educação, que, uma vez rotulada, mesmo que com o tempo se prove que não possuía participação alguma no delito à ela imputado, estará para sempre maculada.

Ninguém irá devolver a imagem dessa pessoa, ninguém irá reparar o suplício sofrido nas mazelas do cárcere, que no nosso país é uma verdadeira pena de tortura.

O sistema tem que mudar, a polícia, o judiciário tem que mudar e prestar mais atenção nessa busca cega por uma justiça que não é justiça, mas apenas uma tentativa de estancar essa ferida aberta na sociedade diante de tanta violência. continuar lendo

Um caso semelhante ao meu filho. Infelizmente meu filho se encontra preso por não ter como provar sua inocência. Todos sabem que não foi ele, até a família de sua esposa. Infelizmente, por não termos condições financeiras para contratar um bom advogado criminalista, vamos suportando e convivendo com o grande peso dessa situação que se transforma em uma grande dor. Agradeço por permitir o meu desabafo. continuar lendo

Olá, Nelson, poderia explicar melhor? continuar lendo