jusbrasil.com.br
25 de Junho de 2021

Um em cada três brasileiros culpa as mulheres por estupro, diz pesquisa

Pesquisa inédita do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra que 42% dos homens acham que a violência sexual acontece porque a vítima não se dá ao respeito ou usa roupas provocativas. O que impressiona é que 32% delas concordam.

Eduqc Oab, Agente Publicitário
Publicado por Eduqc Oab
há 5 anos

Um em cada trs brasileiros culpa as mulheres por estupro diz pesquisa

Apesar de os debates sobre os direitos das mulheres terem se intensificado neste ano — provocados por casos de repercussão nacional como o estupro coletivo de uma jovem, no Rio de Janeiro, em maio —, praticamente um terço da população brasileira ainda acredita que a culpa da violência sexual é da vítima. Os dados são da pesquisa inédita #ApolíciaPrecisaFalarSobreEstupro, encomendada ao Datafolha pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). O levantamento apresenta que 42% dos homens acreditam que o estupro acontece porque a mulher não se dá ao respeito e/ou usa roupas provocativas, e 32% das mulheres têm a mesma opinião. A pesquisa será lançada hoje no 10º Encontro Anual do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que tem como tema a “Violência Contra a Mulher, Acesso à Justiça e o papel das Instituições Policiais”.

O resultado, de certa forma, não surpreende especialistas. De acordo com o vice-presidente do FBSP, Renato Sérgio de Lima, a informação era esperada, mas o número é muito alto e preocupante.

“Para mim, como homem, fico extremamente incomodado ao saber que quase metade dos meus pares não vê a mulher como um ser que tem direitos sobre suas vontades e, principalmente, sobre seu próprio corpo. É um dado muito perverso”, comenta.

Para a doutora em direito pela Universidade de Brasília (UnB) Soraia Mendes, é uma realidade muito difícil de se encarar, mas a percepção da sociedade é essa. “É impressionante que essa cultura da culpabilização da vítima ainda permaneça. A vítima é sempre vítima, não importa aonde ela esteja ou o que ela esteja usando”.

A diretora-executiva do Fórum, Samira Bueno, uma das autoras da pesquisa, comenta que essa percepção da sociedade em relação à mulher não chega a ser surpreendente, até porque o resultado se aproximou da última pesquisa realizada, em 2014, sobre o tema, na qual o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) evidenciou que 26% da população concorda total ou parcialmente com a afirmação de que “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”. E, ao analisar os números separados, a pesquisa trouxe uma esperança de mudança: a maioria das pessoas que respondeu positivamente ao questionamento está na faixa etária acima de 60 anos (44%), tem o nível de escolaridade de Ensino Fundamental (41%) e mora em municípios com até 50 mil habitantes (37%).

“É um cenário muito ruim, mas dá uma esperança para a mudança, já que os jovens estão seguindo uma linha de pensamento mais progressista. Nesses municípios menores, e entre as pessoas mais velhas, a população tende a ser mais conservadora, machista. Ainda acha que o lugar da mulher é dentro de casa, cuidando dos filhos”, comenta Samira. Renato Lima ressalta o mesmo ponto e acredita que esse aspecto é positivo nos dados. “Esses municípios menores têm papel chave nessa moralidade brasileira”.

No país, de acordo com 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, somente em 2014, foram registrados 47.646 casos de estupro em todo o país. Isso significa um estupro a cada 11 minutos. Para a professora Soraia Mendes, o mais importante da pesquisa não é a informação, porque isso é uma cultura que exige um trabalho constante que não será mudada de uma hora para outra, mas é preciso divulgar, alertar, dizer “que está errado”. “Temos um longo processo de modificação da cultura e da luta pela igualdade de gênero. Precisamos olhar para esses dados com a gravidade que eles têm”.

A pesquisa também mostra que 65% da população brasileira têm medo de ser vítima de agressão sexual. Entre as mulheres, o dado chega a 85%. Para Samira Bueno, quando detalha-se o número por regiões, a informação se torna impressionante. No Nordeste, 90% das mulheres têm medo de serem atacadas, e no Norte, 87,5%. Já no Sul, a taxa é de 78%, no Sudeste e no Centro-Oeste, 84%. “Essa diferença regional é muito pesada. E faz todo o sentido. A oferta de serviços públicos que mulheres vítimas de violência têm nessas regiões é infinitamente pior”. O levantamento também mostra a confiança da população em relação ao atendimento oferecido às vítimas nas instituições policiais. De acordo com a pesquisa, apenas 36% da população concorda que policiais militares estão bem preparados para atender mulheres vítimas de violência sexual.

Baixe agora o e-book gratuito com os 4 Passos para Aprovação na OAB.

Fonte: Correioweb

27 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

É, infelizmente um grupo grande de pessoas culpa a vítima. Infelizmente, também, outro grupo grande, na ânsia de manter vivos mitos como o do bom selvagem, na ânsia de justificar condutas criminosas, culpa a sociedade através de teses como "cultura do estupro". Resta apenas outro grupo que entende que o responsável por seus crimes é o próprio criminoso, e que por não entendermos isso é que continuamos vítimas de tanta violência, porque a justificação da conduta criminosa gera impunidade, e a impunidade gera violência. continuar lendo

Somos vítimas da violência justamente pela falta de educação e pela Impunidade.
Pois que quando a pessoa tem conhecimento e comete algo por lei sendo crime, o faz por saber da impunidade. - Tornando a coisa mais perversa ainda, pois sabia.
Pois que quando a pessoa sem conhecimento/sem educação comete algo por lei sendo crime, faz por não saber.

E assim é o ciclo da violência. continuar lendo

Rondinelli, apesar de a educação ser uma das bases da sociedade, que estuprador não sabe que estupro é crime e que é uma conduta condenada pela sociedade? Ou, tocando o contexto, que estuprador foi incentivado por uma "cultura" generalizada? Quando muito ele tomou conhecimento da ação de estuprador (ou estupradores) - ou foi vítima de um- viu que ele (ou eles) ficou impune e passou a reproduzir a conduta criminosa. continuar lendo

Na verdade, o ser humano carrega o sexo como troféu ou peso, desde os primórdios de sua existência.
Nada a ver com os animais, que convivem naturalmente com o sexo. Fazem uso no momento devido, para a procriação e depois, esquecem.
Mas o homem (ser humano) viu no sexo um fetiche, uma diversão, uma prova de amor, um motivo de traição, um pertence para requerer exclusividade, um troféu de virilidade ou de feminilidade, um atrativo para a aproximação, um objeto de desejo e aí...
Indiscutível que o ato sexual é um direito exclusivo e intocável de cada um e ninguém pode ser de qualquer forma compelido a praticar o ato sexual, se assim não o desejar.
Mas e a cultura machista, mas e os apelos sexuais explorados por todo meio de mídia, mas e o sexo como comércio, mas e o desejo sexual reprimido e explosivo de cada um?
O homem deseja a mulher, em princípio pelo seu corpo e o inverso é mega verdadeiro. Fosse a mulher mais forte fisicamente e o homem seria a vítima do estupro.
A natureza humana inventou isso para garantir a procriação. Homem e mulher, precisam se desejar sexualmente. Será que a natureza não previu a evolução humana? Não previu que humanos viessem a ter leis e direitos? Será que a natureza comparou os humanos aos outros animais e nós estragamos tudo?
Claro que o nu desperta o desejo sexual. Claro que a pouca roupa, partes à mostra, inspiram o sexo.
Nesse ponto deve valer a evolução, a educação, o respeito, os conceitos de vida em sociedade.
O estupro é a violação de uma regra de vida em sociedade, assim como o homicídio, o roubo, a agressão física, a corrupção, a invasão de privacidade, etc...
O que leva ao estupro, é a insuficiência de educação, de auto controle, de disciplina pessoal, de respeito pelo direito alheio.
O persistente mito sobre a sexualidade humana parece perpetuar sobre a espécie. Nunca deixaremos o sexo apenas para a procriação? Sequer consigo enxergar essa possibilidade, se me basear nos dias de hoje, quando chego a pensar que de tão na moda, o sexo foi inventado ainda a pouco.
Quem nunca comeu melado, quando come, se lambuza, diz o ditado.
Mas, pergunto: Quando estaremos lambuzados sobre o sexo? Nunca?
Que vê nas roupas curtas um fetiche sexual, dirá que ali está a culpa.
Quem se sente frágil ou vê na fragilidade do outro uma possibilidade do sexo, dirá que a causa é o machismo e a diferença na força física.
Quem sente desejo por um corpo que julga lindo, porém inacessível dirá que a causa é o desejo reprimido.
Que sente nas exposições da mídia acirrar seu desejo sexual, dirá que ali está a razão. continuar lendo

Concluindo:
O desejo sexual é normal, é natural, só precisa ser controlado e a forma de se conscientizar disso é pela educação. Tentativas de se intimidar pela punição legal tem se mostrado insuficientes, portanto, em que pese meu reconhecimento pelo direito de cada um se vestir e se portar da maneira que quiser sem por isso ser molestado, aconselharia o uso do bom senso, até que o quesito educação esteja difundido de forma a ser considerado.
Possuímos hoje mais liberdade de expressão, do que a educação média do povo possa entender. continuar lendo

Mas, quem disse que não concorrem, Fernanda?
Quantos casos de pedofilia são relatados com o envolvimento de mulheres?
Quantas notícias, principalmente vindas dos Estados Unidos dão conta de mulheres envolvendo adolescentes?
Infelizmente, não estou equivocado. Até gostaria de estar. continuar lendo

Fernanda, até parece que não existem muitas mulheres que abusam sexualmente de crianças, sejam meninas ou meninos.

A diferença é que no caso de meninos, muitas vezes os casos são deixados pra lá, afinal só mulher pode ser violentada, homem aguenta.

Sai pra lá com o teu femimiminismo. continuar lendo

Mulheres concordam 32% com os homens que acham que o estupro está relacionado com as roupas que usam.Então como fica o estupro que ´´homens`` ou melhor MONSTROS que estupram meninos?Imagino que nenhum garoto,jovem,menino etc.. tenha se vestido de modo que o MONSTRO se sentisse atraído.
Posso citar um caso de estupro.Aliás tentativa de estupro premeditado, o que me causa ainda mais MEDO,RAIVA,NOJO.Foi o caso de Aída Jacob Curi , tinha 18 anos em 1985.Era uma moça comportada, foi criada em colégios de freiras.Naquela época as roupas das mulheres mal dava para ver os joelhos, mesmo assim foi alvo fácil para o olhar sanguinário de um psicopata menor de idade na época.Sito algo tão distante para que possamos confrontar a respeito dessas pesquisas .Um estuprador na minha opinião é uma pessoa fria,sem amor próprio e sem um mínimo de caráter.Por essas e outras milhões de razões é que não concordo com esse modo de pensar.De que quase todos os estupros contra mulheres está basicamente relacionada o que ela veste ou se comporta no meio social. continuar lendo

Tudo se torna inexplicável quando se tenta sintetizar um universo de motivos em apenas um.
Cada caso, cada caso.
Loucura, falta de vergonha na cara, desejos irreprimíveis, tara, facilidade, ignorância, descontrole emocional, vingança, sensação de posse e outras centenas mais de motivos não podem ser unificados.
O caso da moça comportada, pode ter sido este o motivo da tara. Possuir alguém pura, intocada.
O estupro é um vício cultural, dinamizado pela ignorância. Para se mudar uma cultura, podem ser necessários séculos.
Pode ser que no futuro o homem venha a ser incentivado a estuprar e a mulher ache isso maravilhoso. Não digo isso como previsão, mas apenas para explicar que a sociedade caminha, traça seus rumos e forma suas culturas.
Hoje, a liberdade sexual pode ser uma motivadora dos estupros, pelas razões que já defini no meu comentário. Não a culpada, apenas a motivadora. A culpa fica com quem não conseguiu entender as mudanças e a relação de direitos que ela impõe. continuar lendo

Infelizmente o "homem animal" é um estuprador. Estupro faz parte da cultura animal do homem, e isto é terrível. Se não fosse assim não haveria a necessidade de uma lei para criminalizar o estupro. Se existe a dita lei, o que devemos fazer é cumprir. Se algum texto torna o ato menos hediondo colocando a vitima como culpada, esse texto deve ser mudado. A mulher que se coloca desejável e presa fácil de um estuprador é culpada? Um homem que sai com seu relógio de ouro em uma região com alto índice de assaltos é culpado se for roubado? Se a resposta para essas perguntas é sim, precisamo rever nossos conceitos e visão quanto ao Código Penal Brasileiro. Podemos ser todos culpados. continuar lendo