jusbrasil.com.br
3 de Julho de 2022

Caso Samarco: entenda as consequências legais da maior tragédia ambiental do Brasil

A tragédia em Mariana deixou marcas que nunca serão esquecidas.

Questões Inteligentes Oab, Agente Publicitário
há 6 anos

Há apenas 6 meses, Mariana, uma cidade do interior de Minas Gerais, foi palco da maior tragédia ambiental brasileira de todos os tempos.

Caso Samarco entenda as consequncias legais da maior tragdia ambiental do Brasil

O saldo da tragédia é impressionante: foram mais de 60 milhões de m³ de rejeitos liberados no meio ambiente, 18 vítimas fatais, milhares de desabrigados, 35 cidades afetadas, e assim os números continuam a estarrecer o resto país.

Por outro lado, a tragédia que devastou o distrito de Bento Rodrigues serviu para alertar a população em geral, mas principalmente o governo federal, sobre quão relapsa é a fiscalização das empresas mineradoras e a observância das leis ambientais e suas responsabilidades civis.

Fiscalização precária das barragens: risco de outras tragédias

As outras barragens do estado de Minas Gerais, após a tragédia, passaram por fiscalizações rigorosas e algumas delas se encontravam em situação tão precária quanto a de Mariana.

Mas, afinal, de quem é a responsabilidade dessa fiscalização?

A fiscalização dos serviços prestados pelas mineradoras é responsabilidade do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

Até meados de 1994, o DNPM atuava como uma extensão do Ministério de Minas e Energia, porém tornou-se uma entidade autônoma após o surgimento da Lei nº 8.876/94.

Entretanto, fato é que o DNPM não é uma entidade tradicional e, portanto, a fiscalização é feita de forma inadequada e precária, pois até 6 meses atrás, na ocasião da tragédia, o órgão dispunha de apenas 12 técnicos para inspecionar mais de 660 reservatórios.

Noventa e cinco barragens de Minas Gerais sequer passaram por uma inspeção no ano de 2015. Isso indica que o perigo de um novo acidente era iminente.

As leis aplicáveis ao Caso Samarco

Começando pela Constituição, a Samarco viola o que está disposto no artigo 225, parágrafos 2º e , o que a sujeita a mineradora a receber penalidades da ordem penal, administrativa e cível.

Além da Constituição, a Lei de Crimes Ambientais nº 9.605/1998 e o respectivo Decreto que a regulamenta, nº 6.614/2008, controlam os processos que vão apurar a responsabilidade da própria Samarco e dos seus sócios na tragédia.

A extensão dos danos ambientais é muito difícil de ser determinada. A possibilidade de recuperação total do Rio Doce ainda está em discussão, porém não se sabe ao certo quanto tempo e quanto dinheiro seriam necessários para tal ação.

O estado de Minas Gerais é um dos mais ricos historicamente, pois é detentor de um patrimônio histórico e cultural de valor inestimável. A devastação do distrito de Bento Gonçalves e suas adjacências certamente prejudicou essa herança cultural. Determinar uma compensação financeira para casos assim é bastante complexo.

Portanto, os danos causados pela displicência da mineradora transcendem a esfera ambiental e serão necessários laudos de peritos de várias áreas para determinar a extensão das responsabilidades e leis aplicáveis.

A empresa já foi multada pelo IBAMA (R$250 milhões) e pela Secretaria do Meio Ambiente do Estado de Minas Gerais (R$112 milhões).

Sob a esfera da Responsabilidade Civil, a Samarco já teve R$300 milhões bloqueados pela justiça e fez um acordo com o MPF e o MPE de cerca de R$1 bilhão a ser aplicado em medidas preventivas e de contenção dos danos.

A Samarco, com esse ato de displicência, se tornou alvo de múltiplas ações jurídicas e os resultados são imprevisíveis. O processo ainda está em andamento e novas notícias e informações podem surgir a qualquer momento.

Baixe agora o e-book gratuito com os 4 Passos para Aprovação na OAB.

Fonte: Blog. ExamedaOAB. Com

Informações relacionadas

Fellipe Duarte, Advogado
Artigoshá 7 anos

O caso Samarco e a responsabilidade ambiental

Marcelo Farina de Medeiros, Advogado
Artigoshá 8 anos

Responsabilidade civil do Estado nos desastres ambientais

Nathalia Mendes, Advogado
Notíciashá 6 anos

Política Nacional do Meio Ambiente (PNMA) - Lei nº 6938/81

Jamile Massad, Estudante de Direito
Artigoshá 5 anos

Os diversos meios de provas no Código de Processo Civil

Bianca de Amorim Timoteo, Advogado
Artigoshá 6 anos

Modalidades de Intervenção do Estado na Propriedade Privada

6 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Em um país sério, os responsáveis pela empresa já estariam presos e os que deveriam ter fiscalizado também.

Mas no Brasil, a liberdade de poucos vale mais do que a vida de muitos, tudo por causa do excessivo e nefasto "direito a ..." continuar lendo

O que eu acho engraçado, é que quando Vale era do governo, falava-se que ela era "cabide de emprego", que não era produtiva e por ai vai... essas informações ficaram no inconsciente coletivo da população brasileira, tanto que quando houve a venda da Vale por "preço de banana", ninguém questionou (a população de um modo geral, alguns pessoas ligadas ao direito sim). Ou seja, pode privatizar que é isso ai mesmo. Agora, quando se tem um acidente ambiental monstruoso desse, de danos talvez irreversíveis, e que pode demorar décadas para recuperar o meio ambiente, ninguém falou da hipótese da reestatização da VALE. Cabide de emprego é motivo para privatizar, mas acidentes gigantescos como esse não são motivos para reestatizar. A mídia ficou caladinha. continuar lendo

"Todos são iguais perante a lei, mas uns são mais iguais que outros." continuar lendo

Democracia não pode aceitar julgador justiceiro, dizem criminalistas
Salvar • 5 comentários • Imprimir • Reportar
Publicado por Consultor Jurídico - 2 dias atrás
4
As democracias com bases sólidas não podem depender, ou ficar à mercê, de julgadores justiceiros e da jurisdição universal de um único órgão. Esses projetos nacionais também devem combater as prisões que, sem a devida fundamentação, busquem apenas obter confissões. A opinião foi manifestada por advogados e juristas em carta lida ao fim do VII Encontro Brasileiro de Advogados Criminalistas, que ocorreu em Curitiba entre os dias 30 de junho e 1º de julho.

Esse é mais um dos casos de ampla defesa aos criminosos o que sofreram os danos que se danem. A pergunta é agiram ou não de má fé esses empresários tirem-lhes tudo para que o dano causado seja compensado. Pior as multas estão aonde?? Nos fundos difusos?? A é piada mesmo . continuar lendo

Discordo quanto a culpa única do DNPM, esqueceu de citar os demais órgãos municipais, estaduais e federais, além é claro da segurança do trabalho que atua diretamente nas empresas e cujo papel é denunciar caso seja observado alguma irregularidade. continuar lendo