jusbrasil.com.br
19 de Setembro de 2018

As 28 causas mais comuns de danos morais

Casos vão de clonagem de cartão e "overbooking" a bala perdida e prisão equivocada, com indenizações de até R$ 360 mil. Veja lista completa.

examedaoab.com, Agente Publicitário
Publicado por examedaoab.com
há 2 anos

As 28 causas mais comuns de danos morais

Ter sido vítima de um erro médico, com falha reconhecida do profissional, rendeu a um paciente a indenização de R$ 360 mil. Este foi o valor mais alto que apareceu em um levantamento sobre as principais causas que chegam aos tribunais do país por danos morais.

O valor ultrapassou inclusive o de reclamantes que foram indenizados por não terem sido informados pela esposa da real paternidade dos filhos (R$ 200 mil), terem sido presos equivocadamente ou em condições irregulares (R$ 100 mil) e até mesmo terem sido atingidos por bala perdida em assaltos a agências bancárias (R$ 40 mil).

O levantamento foi feito pelo escritório Imaculada Gordiano Sociedade de Advogados, de Fortaleza, e publicado pelo portal especializado em direito Jota.

O trabalho verificou a natureza de 300 decisões do STJ e dos Tribunais de Justiça de diversos Estados e as ranqueou de acordo com a frequência de cada tipo de causa. São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Paraná foram considerados. A pesquisa não considera processos trabalhistas.

Descumprimento de obrigações estipuladas em contratos é a primeira da lista, além de diversas outras situações que envolvem desrespeito ao consumidor. Compra de produtos com defeitos, negação de consulta por planos de saúde, ingestão de alimentos contaminados e negativização de nome sem aviso pela empresa estão entre elas.

Violação de direito autoral, difamação em redes sociais e até mesmo fraturas causadas por problemas em via pública também aparecem. Em geral, as indenizações vão de R$ 5 mil a R$ 20 mil.

Veja a lista completa:

1. Falta de cumprimento de obrigações tratadas em contrato. (A situação depender da análise caso a caso, pois a jurisprudência entende que o mero descumprimento contratual não é passível de dano moral.)

2. Suspensão indevida de fornecimento de energia elétrica ou água em virtude de cobranças antigas. Indenização: R$ 5.000.

3. Delitos provocados por terceiros em instituições financeiras. Indenização: de R$ 2.000 a R$ 5.000,00.

4. Falta de notificação do devedor na inscrição de seu nome em órgãos de proteção ao crédito ou inscrição indevida. Indenização: R$ 5.000.

5. Utilização indevida de obra artística ou violação de direito autoral. Indenização: de R$ 4.000 a R$ 15.000.

6. Exposição de conteúdo ofensivo sobre pessoas na internet ou qualquer meio de comunicação. Indenização: de R$ 5.000 a R$ 50.000.

7. Erro médico, quando for demonstrada a culpa do profissional. Indenização: de R$ 10.000 a R$ 360.000.

8. Cobranças abusivas, sob ameaça, constrangedoras ou com publicidade negativa do devedor e protesto indevido. Indenização: R$ 5.000.

9. Devolução de cheque indevida ou desconto de cheque antes da data estipulada. Indenização: R$ 5.000.

10. Recusa de crédito em razão de dados incorretos ou desatualizados. Indenização: R$ 5.000.

11. Clonagem de cartão de crédito ou obtenção de senha de forma fraudulenta. Indenização: R$ 2.500 a R$ 5.000.

12. Assaltos no interior de agências bancárias ou em correios que exerçam atividade de banco postal ou em seus estacionamentos. Indenização: R$ 5.000.

13. Retenção do salário de correntista para pagamento de débitos com o banco. Indenização: R$ 5.000.

14. Descontos em contas bancárias sem autorização do cliente. Indenização: R$ 2.000 a R$ 5.000.

15. Pessoa atingida por bala perdida em tentativas de roubos de malotes de dinheiro em frente a agências bancárias. Indenização: RS 40.000.

16. Desvio de dados pessoais de clientes por trabalhadores de empresas de telefonia ou TV a cabo. Indenização: R$ 2.000 a R$ 5.000.

17. Bloqueio de linhas telefônicas móveis sem aviso prévio. Indenização: R$ 5.000.

18. Compra de produtos que tenham defeitos e que impedem o seu uso após a compra. Indenização: R$ 5.000 a R$ 12.000.

19. Ingestão de produto alimentício impróprio para consumo em virtude de contaminação. Indenização: R$ 3.000 a R$8.000.

20. Fraturas por quedas em vias públicas por problemas de má conservação, falta de iluminação ou má sinalização. Indenização: R$ 5.000.

21. Perda de compromissos em decorrência de atraso de voo ou overbooking. Indenização: R$ 2.000 a R$ 5.000.

22. Expedição de diploma sem reconhecimento pelo MEC. Indenização: R$ 10.000.

23. A inclusão indevida e equivocada de nomes de médicos em guia orientador de plano de saúde. Indenização: R$ 5.000.

24. Equívocos em atos administrativos. Indenização: R$1.000,00 a R$5.000,00.

25. Recusa em cobrir tratamento médico hospitalar. Indenização: R$ 5.000 a R$ 20.000.

26. Revista íntima abusiva. Indenização: R$23.200.

27. Omissão da esposa ao marido sobre a paternidade biológica do (s) filho (s). Indenização: R$ 200.000.

28. Pessoa ser presa erroneamente. Indenização: R$ 100.000.

Fonte: ConsumidorModerno

Você concorda com o levantamento? Deixe sua opinião nos comentários.

Baixe agora o e-book gratuito com os 4 Passos para Aprovação na OAB.

9 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Quando o Poder Judiciário perceber que esta aumentando demasiadamente o número de demandas com pedido de Dano Moral, e fixou um valor alto com intuito de coibir a reincidência, desses desrespeito, em especial aos consumidores, certamente as demandas judiciais irão diminuir.
Mas se a justiça continuar a fixar valores irrisórios a título de danos moras, os abusos vão continuar.
Pagar preço alto pelo erro ainda é uma das melhores formas de corrigir o desrespeito ao consumidor. continuar lendo

Essas médias das condenações são ridículas. Não atingem o fim que se busca tais processos: a eliminação ou redução das falhas nas relações de consumo. Aliás, esses valores não remuneram nem o advogado e nem o cliente que foi lesado e já teve o seu prejuízo consumado. Esse valores deveriam ser aumentados pelo menos em 10x sobre o valor dessas médias apontadas na pesquisa, pois esse seria o passo que está faltando para que as grandes empresas (Bancos, Planos de Saúde, Telefonia, Internet, Tv, etc) realmente priorizassem a melhoria no atendimento ao consumidor ao invés de focar somente no aumento dos lucros em detrimento de um atendimento que está cada vez mais indigno. continuar lendo

VAmos incluir a incompetência da administração pública com comprovada ma fé e crime dos administradores das esferas Federais, Estaduais e Municipais. Dano Moral e prejuízo financeiro a milhões de brasileiros. Qual seria o valor da indenização ? continuar lendo

Minha esposa se submeteu a uma laparoscopia para retirar pedras da vesícula, o aparelho perfurou o intestino e ela veio a óbito, isso ocorreu em 2008 ainda posso recorrer? continuar lendo